quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Jack Bauer é um criminoso

Li apenas um punhado de textos de Barbara Gancia, o suficiente para repelir seu diogomainardismo com sotaque de Miriam Batucada, que a alguns parece divertido e “corajoso”. Mas, por pura curiosidade, enfrentei seu artigo recente, “De onde tiraram a idéia de que Jack Bauer glorifica a tortura?” (aqui, para assinantes). Se o título fechasse a questão, não haveria muito a obstar. Gancia, como qualquer espectador, pode achar o que quiser de uma peça audiovisual fictícia. Mas o dilema vivido por Bauer e aparentemente reforçado por ela (a legitimidade da tortura em situações de exceção) não permite ambiguidades.
Torturar e executar prisioneiros é crime. Quem lança mão desses estratagemas é bandido e ponto final. As atrocidades de Bauer não ferem apenas a Convenção de Genebra, mas principalmente a Constituição dos EUA. O mesmo vale para o capitão Nascimento de “Tropa de elite” (voltarei a esse tema): a violação de preceitos constitucionais jamais será legítima, por definição.
Gancia quer que Bauer seja um “democrata”, opondo-o a “republicano”, na acepção do bipartidarismo norte-americano. O enfoque nessa polêmica vazia distorce tudo. Primeiro, porque hipotéticas inclinações políticas não refletem valores morais. Segundo porque, como tenta fazer o ex-PFL, o rótulo “democrata” alude falsamente a um adjetivo de acepção rigorosa, que é oposta à inconstitucionalidade. Além disso, a opção partidária do personagem não muda o fato de que os espectadores do seriado estão recebendo, reforçada por recursos dramáticos, a justificativa do governo Bush para praticar suas ignomínias em Gantanamo e outros rincões obscenos.
Por fim, quem prefere Jack Bauer a Marilena Chauí (que Gancia inexplicavelmente envolveu na história), certamente encontrará, em “24 horas”, o passatempo mais indicado.

2 comentários:

Gu do Angu disse...

É legal chegar aqui para ler esse texto exatamente depois de assistir ao capítulo de hoje de 24 horas.

Tenho duas coisas a dizer: em primeiro lugar, Jack Bauer é, sim, um criminoso, mas criminosos são mais divertidos. Não à toa Batman e mais legal que Super Homem e o Darth Vader conquista muito mais fãs que o boboca do Luke Skywalker...

A segunda coisa é que levar a sério 24 Horas é como levar a sério o BBB ou o campeonato de Luta Livre. Só nessa temporada, Jack matou um inimigo a dentadas e levou outro a nocaute, puxando-o pela gravata para que ele batesse a cabeça num post.
Não acho que haja, em 24 Horas, qualquer verossimilhança que faça com que uma pessoa com a inteligência um pouco superior à da Barbara Gância (e Diogo Mainardi) seja convencido de que a tortura é uma opção. Como os jogos violentos - para 99% das pessoas saudáveis no mundo - serve apenas como uma catarse coletiva e, já sabemos desde Freud, catarses, como os chistes e os atos-falhos, funcionam só como descarga de energia. Não mudam nada.

Talvez fosse mais interessante se divertir com Jack Bauer e levar a sério a política do país e questões sociais realmente graves.

Mas é minha opinião e nem eu mesmo me levo muito a sério...

Ivan Moraes disse...

Se voce fala ingles, POR FAVOR procure no youtube as melhores Naomi's do mundo: Naomi Wolf, e Naomi Klein. Voce vai se arrepiar!