quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

O Chile é aqui


Semelhante ao mito do “renascimento conservador”, outro delírio provocado pelas eleições chilenas é o de que a imensa popularidade de Lula também poderia ser insuficiente para alavancar Dilma Rousseff. Poderia, claro, mas quem disse que não? Ninguém precisa da vitória de Piñera para reafirmar essa possibilidade.

Há uma curiosa precaução na escolha de exemplos exteriores. Michelle Bachelet não serve como símbolo feminino de sucesso e competência, por exemplo. E a derrota de Eduardo Frei não revela uma insatisfação com políticos tradicionais identificados com o centrismo, tendência que talvez prejudicasse o PSDB de José Serra e FHC.

Muitas dessas bobagens continuarão a ser testadas pela mídia, até o início da campanha eleitoral. Cada qual escolherá o alucinógeno mais conveniente.

3 comentários:

Anônimo disse...

A popularidade do governo Lula é a melhor coisa que a Dilma pode ter .

Dilma cairá na boca do povo como a "mulher do Lula" e teremos uma vitória em 1º turno.

Otimismo , sim ...muito otimismo !
Meu voto está garantido para ela !

Bruno Ribeiro disse...

Não sou otimista ao ponto de cantar vitória no primeiro turno - não nos esqueçamos que o próprio Lula teve que encarar o insosso Geraldo Alckmin no returno.

Agora, uma coisa é fato: se o PSDB estivesse certo da possibilidade da vitória, já teria lançado José Serra - que está mais cauteloso do que nunca.

Há rumores de que o próprio tucanato já insinua uma jogada de toalha. O crescimento de Dilma é avassalador, sobretudo no Norte e Nordeste. Não tardará para que ela cresça também no Sul e Sudeste. Em março, acredito, estará empatada tecnicamente com o candidato tucano e aí é só administrar.

Dilma é, disparada, uma oradora de primeira. Pode não ter o carisma de Lula - e quem terá neste País depois dele? - mas no debate, no olho a olho, é praticamente imbatível. Eu diria que ela é ainda mais segura no que diz do que o próprio presidente.

Serra não terá a mínima chance nos debates. Na batalha de ideias, Dilma dará uma rotunda surra na oposição. Sua vitória será inevitável, ainda que no segundo turno.

Guilherme Scalzilli disse...

Bruno, infelizmente não compartilho seu otimismo. A direita está muito bem aparelhada, e soube aprender com os seguidos fracassos. Dilma tem vulnerabilidades sensíveis para uma candidata a cargo dessa importância. A parada, me parece, tende a ser duríssima; não sei se Dilma, Lula ou o PT estarão dispostos a jogar tudo num eventual "banho de sangue". Mas espero que vc e o Anônimo estejam certos...
Um abraço, contando sempre com seus valorosos comentários, do
Guilherme