sexta-feira, 12 de novembro de 2010

“Dois irmãos”


O jovem Daniel Burman novamente demonstra quanto se pode conseguir com um bom texto, personagens fortes e atores como Antonio Gasalla e Graciela Borges, magníficos. Tudo simples, bem feito, eficaz.

É sempre útil repetir: a consagração internacional do cinema argentino ultrapassa o apuro técnico ou o domínio da linguagem do entretenimento. Isso a desacreditada e redundante produção brasileira já conhece, dominada por superfinanciadores, estrelas globais e “preparadores de elenco”. Mas então o que falta para realizar um filme comovente e divertido como “Dois irmãos”? Apenas o essencial.

Um comentário:

Por que você faz poema? disse...

Burman novamente nos mostra seu cinema tão cotidiano e tão rico, belo momento de quem já havia nos presenteado com a "trilogia de Ariel" (Esperando o Messias, O Abraço Partido e As Leis de Familia), além do ÓTIMO "Ninho Vazio". Vale a pena conferir todos.