quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Rick Wright (1943-2008)

Morreu com ele o Pink Floyd, agora de vez. Triste coincidência que isso aconteça com um dos protagonistas das brigas que levaram ao rompimento da banda em 1985 (o outro, claro, foi o chefinho Roger Waters).
Sempre alimentei certa ilusão de assisti-los numa reedição da turnê “Delicate sound of thunder” (1989), obra-prima audiovisual que deglutíamos incansavelmente. Todo Pink Floyd soa demasiado próximo, e é complicado assimilar o desaparecimento de um ídolo de tamanha importância, mesmo o discreto e subvalorizado tecladista Wright.
Fui forjado a Floyd: meus dois primeiros discos foram “Infidels” (Dylan) e “The final cut” (curiosamente o último da banda). Poucos anos depois, passaríamos tardes, noites e madrugadas gastando “The wall”, “Wish you were here” e “Dark side of the moon” como se fossem os únicos álbuns do mundo. Sabíamos cada letra, acorde, solo, nota por nota.
É impressionante como, apesar das muitas outras referências adquiridas (e talvez até mais valorizadas) desde então, ouvir Pink Floyd mantém esse frescor de reminiscência agradável. No universo de certo pop/rock instrumental costumeiramente tratado por “progressivo”, salvo poucas exceções, Gilmour, Waters, Mason e Wright permanecem inigualáveis.

“The great gig in the sky” é um improviso vocal com acompanhamento de piano, composto por Wright para o clássico “Dark side” (1973).


2 comentários:

IAMoraes disse...

Bianca Antoinette, uma australiana:

http://www.youtube.com/watch?v=InOpOHfSt40

E a maior musica de Rick Wright!!!!

Anônimo disse...

ARREPIANTE!!!