sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Memória: “Governo sitiado”

Capa da revista Istoé, em 23 de abril de 1997.
Subtítulo: “Sem-terra conquistam classe média e FHC enfrenta a oposição das ruas”.

Matéria da página 20: “A oposição das ruas – políticos, bispos e sindicalistas pegam carona na popularidade do MST para se manifestarem contra o governo de Fernando Henrique”

Texto: “[dia 17 de abril] o governo enfrentou o maior protesto popular desde a posse. Nas ruas da capital federal, juntaram-se aos dois mil sem-terra cerca de 30 mil pessoas numa manifestação que não se restringiu a pedir pressa na reforma agrária, mas serviu de carro-chefe para todo tipo de reclamação. O resultado foi que pela primeira vez o governo FHC ficou sitiado por uma massa de manifestantes que levantavam bandeiras contra as reformas na Constituição, a privatização da Companhia Vale do Rio Doce, o desemprego e a política econômica.”

3 comentários:

Anônimo disse...

Nesse momento seria oportuno uma manifestação dessas contra o STF, não ?
Edivaldo Melo - Manaus / AM

Guilherme Scalzilli disse...

Boa idéia, Edivaldo, com uma ressalva: a manifestação precisaria ter alvo claro e específico, para não ser apenas um ataque à instituição judiciária. Gilmar Mendes não é o STF.
Participe sempre!
Um abraço do Guilherme

Anônimo disse...

Muito bem, qual foi o resultado prático desta "manifestação"? Essa apologia às badernas públicas é em brasileira. Em geral funciona como massa de manobra.
Não adianta fazer manifestação contra o STF. O STF cumpre a lei. O problema é a "lei" brasileira, que daria uma enciclopédia de defeitos. Antiga, fraca, prolixa... cheia de exceções e recursos....
Não tenho fé de ver o Brasil melhorar. O Brasil tem um grande futuro, mas como disse de Gaulle "ele sempre terá".

Marcus