quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Acidente, desastre, castigo

A utilização político-partidária do acidente com o avião da TAM, em julho passado, entrou para a galeria dos momentos mais abjetos da imprensa nacional. Estudos futuros saberão dimensionar o episódio com o devido distanciamento.
Lembrar a politização daquela tragédia evidencia algo de estranho nesse fatalismo conformado que se abateu sobre a mídia diante das enchentes em Santa Catarina. Ninguém foi responsabilizado diretamente pela flagrante incompetência administrativa que ajudou a potencializar os estragos causados pela chuva. Os comentaristas contentam-se em elencar vilões difusos (o aquecimento global, a estrutura do solo, os leitos dos rios), como se uma entidade natural intangível estivesse a punir os humanos por seus pecados inconfessos.
É óbvio que faltaram ações preventivas do Poder Público, seja em obras de infra-estrutura, seja na regulamentação do uso do solo. Quem passou pelos destroços das enchentes de 1983 e viu as manchas da água chegando quase aos telhados das casas não pode se contentar com lamúrias ecotranscendentes. Vinte e cinco anos são mais do que suficientes para a implantação de melhorias que poderiam salvar dezenas de vidas. Pela enésima vez, não faltam recursos: falta competência.
Por que a mídia tem tanto medo de criticar os governos locais ou as bancadas de congressistas catarinenses? Cobrar responsabilidades do peemedebista Luiz Henrique melindraria algum interesse eleitoral mais amplo? Ou os comentaristas estão reservando seu estoque de cidadania revoltosa para esfolar o governo federal quando as trágicas conveniências o permitirem?

5 comentários:

roberto furst disse...

caro amigo
sou morador de bombinhas e comerciante.lamentável a tragédia
mas mais lamentável é a cobertura
que a RBS,afiliada da poderosa
REDE GLOBO.devido ao forte looby
das empresas internacionais de
turismo que mandam no nordeste,nós
aqui de Santa Catarina estamos sendo massacrados pela midia como
se o estado todo estivesse embaixo
da água,o que não é verdade.tem mais,foi uma explosão na tubulação do gasoduto,e não um rompimento,e isso ocasionou mais mortes do que estão anunciando.SOS.

Amanda disse...

o apelo sensacionalista que a Globo e a Record estão fazendo é lamentável para nós que somos contra a alienação, apoio completamente esse texto. Parabéns. Abraço

Felipe disse...

Concordo com seu texto, a mídia é ridícula, fez políticagem com acidente do avião tentando responsabilizar o Lula e agora fica quetinha porque Santa Catarina não é governada pelo PT. Mas não sei, será que se fosse um governo petista o poder público teria feito essas ações preventivas? Concordo com vc que não se pode culpar o aquecimento global, solo e tudo mais como se ninguém fosse responsável. Mas esse papo de quinze anos se passarem e não fizeram nada me faz pensar que a cultura brasileira é assim, brasileiro não tem memória, nenhum governo planeja a longo prazo, acho que o acidente aconteceria com qualquer governo, posso estar errado, mas...

Guilherme Scalzilli disse...

Oi Felipe,
realmente parte da responsabilidade é do governo federal. Todas as autoridades, principalmente as de Santa Catarina, deveriam ser obrigadas a explicar tamanha falta de planejamento. Mas o chocante no caso é perceber como a indignação da imprensa tem motivações mais políticas do que humanitárias.

Felipe disse...

Concordo plenamente.