quarta-feira, 8 de abril de 2009

A infâmia antifumo 2

A lei passou. Mais uma vez, o governo Serra tratorou a Assembléia subalterna (mas suas boas intenções o indultam, certo?). Se a oposição não estiver apenas bravateando, haverá recursos legais contra a medida.
A postagem sobre a infâmia antifumo contém linques suficientes para aprofundar a discussão em seus aspectos verdadeiros. Respondendo aos comentários, é irrelevante se fumo ou tusso, pelos mesmos motivos que jamais contaminarei o debate com discussões sobre malefícios físicos, entre outros juízos de valor.
A repressão anti-tabagista viola direitos e ponto final. O espaço público não pertence exclusivamente a não-fumantes, ou a magros, ou a míopes. Todo tipo de atrocidade xenófoba, racista e preconceituosa pode ser cometida quando se legisla em função dos interesses de uma “maioria” que não quer ser incomodada.
Nunca será demais repetir: o cidadão tem direito de escolher se quer entrar num ambiente com ou sem fumaça. Ao dono do estabelecimento cabe tomar decisões semelhantes, arcando com os prejuízos (ou lucros?) resultantes. O resto é autoritarismo.

5 comentários:

Hudson Luiz Vilas Boas disse...

Professor Scalzilli

Essa lei é uma das maiores afrontas que o cidadão brasileiro já passou. Ela atenta contra as liberdades individuais. O Serra já é bastante conhecido pelo autoritarismo, com essa medida então, acaba de marcar um golaço contra.
É ridiculo o fumante passar por criminoso. É dum absurdo incrível.
Mais uma medida que entra pro vasto repertório das cagadas tucanas.

daniel rodrigues disse...

guilherme,
olha só, como não achei nenhum espaço para sugestão de pauta, vou usar esse mesmo. não sei se é loucura minha, mas me parece estar ocorrendo mais uma tentativa de golpe por parte da imprensa. estão alardeando como que uma crise sistemica na bahia, mostrando dia a dia problemas na saude, segurança e nao sei mais o que como se fosse um caso isolado no caos nacional. como se fosse diferente do que ocorre nos estados geridos pelos tucano pefele. talvez fosse importante vc perder um pouco seu tempo c esses jornais q emporcalham nossa vida e falar um pouco do tema.
abraço forte!!!

Krystal Ambrosio disse...

Eu passei um ano na Austrália e lá é proibido fumar dentro das casas noturna, mas em todas as casas tem um espaço destinado aos fumantes, no início achei absurdo você está se divertindo e pessoas estarem te controlando, porém era tão bom voltar pra casa não me sentindo um cinzeiro pelo cheiro que impregna no corpo, e nem ter que fumar passivamente a fumaça dos outros ao meu redor. Não acho que essa medida esteja selecionando ou excluindo grupos de pessoas, apenas está havendo um respeito para com os demais, por que a pessoa não pode se dirigir a um lugar ao ar livre e fumar tranquilamente um cigarro? Para o próprio fumante é um lugar mais relaxante. Essa medida já existe em restaurantes e em muitos outros lugares por que não nas boates também? Na minha cidade essa medida ainda não entrou em vigor, nem sei se entrará, mas quando saio com minhas amigas, as quais são fumantes, quando elas acendem um cigarro, eu falo:- pow fuma ali fora, por uma relação de respeito mútuo nada melhor que ela se dirija a um lugar mais apropriado. E após a lei realmente inserida, será muito normal, ir a um outro espaço fumar um cigarrinho,respirar um ar, conversar, todos irão preferir e não verão como uma lei imposta ou uma exclusão. Aliás, como já diria um antigo ditado: seu espaço acaba quando interfere no do outro.

Junior disse...

Realmente um fato complicado.
Acho que os governantes perdem tanto tempo com proibições, que deviamos é pregar o bom senso e a educação de verdade.
Já fui fumante, não gosto da fumaça em lugar nenhum aberto ou fechado.
Até concordo com espaços para tal finalidade, mas a lei devia ser mais uma gerência do que uma condição imposta.

Guilherme Scalzilli disse...

Olá Daniel, obrigado pela sugestão de pauta, vou buscar mais informações sobre ela.
Abraços do
Guilherme