terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Sabotadores

(publicado na revista Caros Amigos, em fevereiro de 2008)

Os articuladores do veto à prorrogação da CPMF visavam atingir a capacidade de investimento do governo federal, tentando diminuir a vantagem de Lula nas inevitáveis comparações com FHC que embalarão o processo sucessório de 2010. Ao mesmo tempo, os senadores queriam submeter os governadores às respectivas cúpulas partidárias, para coibir alianças favoráveis ao petista nas campanhas municipais deste ano, além de aplacar o surto autonomista de José Serra e Aécio Neves.
Jamais houve qualquer preocupação técnica nos inimigos da CPMF. Nenhum comentarista minimamente informado acreditava que a cobrança era injusta, que seu fim levaria à queda de preços ou que um corte de R$ 40 bilhões seria compensado sem aumento na carga tributária. Tais deturpações foram divulgadas enquanto convinham e logo desapareceram. Antes, bastava a competência do Executivo para evitar prejuízos aos programas sociais, à infra-estrutura e à estabilidade financeira; agora se descobre que os cortes orçamentários e o pacote fiscal sempre foram inevitáveis e previsíveis.
Depois de ludibriar seu público, o colunismo tendencioso mudou de assunto. Fala em equilíbrio dos Poderes, coerência programática, “o papel democrático das oposições” e outras beatitudes. É uma ladainha vazia, adaptável aos contextos e personagens mais variados. Serve inclusive para insinuar que as derrotas de Lula necessariamente trazem benefícios ao país, mesmo que prejudiquem a população.
E pouco importa que os prognósticos fatalistas sejam frustrados. O noticiário saberá fabricar epidemias de febre amarela, apagões elétricos e outras calamidades especulativas. Uma aura de espírito cívico protege esse oposicionismo revanchista e destrutivo, que promove a instabilidade e comemora desgraças, fazendo política com a ruína alheia.

3 comentários:

Carlos BRuce Batista disse...

novo blog.
contos,críticas,artigos...
funkcrtico.blogspot.com
obrigado

Ivan Moraes disse...

Guilherme, voce sabe dizer se a queda do CPMF foi uma tentativa de prejudicar o Bolsa Familia? (nao tenho dados contextuais o suficiente pra visao clara)

Guilherme Scalzilli disse...

Ivan,
não acredito que visassem qualquer projeto específico. O Bolsa Família recebia parte do dinheiro da CPMF. Mas a idéia geral era prejudicar a economia e a capacidade do governo investir.
Guilherme