sexta-feira, 21 de maio de 2010

Os EUA sabotam a paz


O acordo com o Irã é uma vitória histórica da diplomacia brasileira, quaisquer que sejam seus desdobramentos. A mídia oposicionista sempre repetirá os jargões colonizados de sua antiga revolta contra o destaque internacional de Lula.

O governo de Barack Obama atua nos bastidores para destruir essa conquista. É uma questão de prestígio pessoal para Obama e Hillary Clinton, que foram desafiados pela teimosia de Lula. Mas trata-se também de uma necessidade estratégica: num planeta multipolarizado e estável, com vários focos de influência, Washington perde poder. E a arrogante independência do brasileiro não pode se transformar num exemplo para que outros líderes regionais dispensem a tutela da Casa Branca.

Em outras palavras, a paz não interessa aos EUA. E, convenhamos, ninguém leva a sério os discursos pacifistas do maior agressor militar do planeta. Será fácil para os EUA bloquear a iniciativa brasileira, utilizando a submissão das potências aliadas na ONU ou atiçando os muitos radicais de variadas bandeiras, ávidos por um punhado de dólares. Mas alguma coisa rachou na hegemonia estadunidense, que já não era lá essas coisas.

Um comentário:

Pastor Ricardo disse...

Acho que isso já forçar demais... tentar fazer parecer que o acordo feito tem seus avanços, tudo bem. Mas a ideia desse acordo era parar o enriquecimento urânio e isso foi descartado deste o começo pelo comandante do Irã. Quem está fazendo esse tipo de coisa (enriquecimento de urânio) é que tem que ser questionado em seus argumentos de paz, que é o Irã, que na figura de seu comandante nega holocausto e quer destruir Israel, pelo que dá conta as notícias.
E como o período eleitoral anda em voga e tudo que se diz é porque é a favor ou contra este ou aquele, nunca votei nem em Lula, nem em FHC, e não pretendo votar em Serra ou Dilma!
Abraço!