quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Valeu, Chitão!



Em 2001, o time da Ponte Preta contava com Daniel, Ronaldão, Fábio Luciano e Elivélton na defesa, os volantes Fabinho e Mineiro e, no ataque, Washington e Luís Fabiano. O técnico era Nelsinho Baptista. Sim, isso aconteceu, e eu vi.

Washington guarda um grande respeito pela Macaca, onde foi artilheiro de quase todos os campeonatos que disputou. Depois, em outros times, evitava comemorar os gols que marcava contra a Ponte, por exemplo.

O que tinha de chato dentro de campo, com os colegas e adversários, ele preservou em simpatia, seriedade e profissionalismo. Junto com Mineiro, foi, por um ou dois anos, o melhor jogador brasileiro em sua posição. Ambos teriam mais sorte na seleção, caso já pertencessem a algum time de capital quando atingiram o melhor rendimento.

A torcida alvinegra sempre lembrará de Washington com saudade e respeito.

Um comentário:

Hudson Luiz Vilas Boas disse...

Mesmo sendo flamenguista (como se isso interferisse muito em minha formação, caráter e crenças!!!) um dos motivos que me levou a torcer pelo Fluminense nas rodadas finas do Brasileirão foi justamente o Washington. Exemplo de caráter (algo raro entre os astros de futebol), profissionalismo além de ser humano excepcional.