sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Lula exposto


A cobertura jornalística da rápida internação do presidente segue um roteiro previsível. O alarmismo das manchetes iniciais garantiu uma atenção desproporcional ao problema. Durante a fase de expectativa, fotografias mostravam Lula fazendo caretas e exibindo sinais de fraqueza. Antes que parecesse redundante ou exagerado, inacreditáveis especuladores de rádio e TV faziam piadas sobre seus hábitos e ridicularizavam a cúpula do governo.

Mesmo constatada a desimportância do episódio, todos os veículos aproveitam-no agora para minuciosa exposição do presidente. Gráficos apontam suas vulnerabilidades, “especialistas” prevêem futuros sombrios, retornam as pechas do alcoolismo, do tabagismo e da obesidade. Parece que Lula foi destituído de nobreza e magnificência, restando apenas um pobre diabo que morrerá a qualquer momento (é um ensaio para o que Dilma enfrentará em breve).

Que diferença da mídia que defendia a preservação da intimidade do agente público...

4 comentários:

Anônimo disse...

Roteiro previsível.
Quase uma máquina de lavar roupas .

O interessante é saber colocar essa máquina em funcionamento quando o momento for propício e de propósito.
Uma espécie de jogo de xadrez onde sairá uma parcela de resultados positivos .

Anônimo disse...

Isso tem nome, chama-se DESESPERO, a oposição sem rumo encontra-se desesperada.

Bruno Ribeiro disse...

Há dez anos - OU MAIS - que a imprensa brasileira anuncia a morte do decrépito Fidel Castro. E, no entanto, ele continua escrevendo sua coluna diária nos jornais.

Anônimo disse...

Ódio e preconceito, são os 5% de descontentes em ação.Abr. Roberto.