segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Preliminares



O Globo de Ouro mantém o formato das primeiras cerimônias de entrega do Oscar: um jantarzão com discursos breves e aura descontraída. É curioso observar os astros do cinema industrial mastigando petiscos e bebendo seus scotches, alguns deles visivelmente embriagados, trocando tapinhas e caretas polidas, fingindo que não estão num auditório de hotel, desfilando para espectadores do mundo todo.

O prêmio, conferido por correspondentes estrangeiros que cobrem Hollywood, tem o mérito de abarcar o rico e variado universo da televisão. Soa menos corporativo do que o Oscar, mas houve sinais recentes de pagamento de propina em troca de voto, o que não deveria surpreender mais ninguém neste mundo. Em geral, é uma oportunidade para prevenir e sanar as injustiças do Oscar, além de antecipar certas premiações inevitáveis. Neste ano, as barbadas ficam por conta de Natalie Portman e Christian Bale, que finalmente receberão o reconhecimento devido (o que poderá aquietar um pouco o moço), e de David Fincher (“A rede social”).

Nas premiações de séries televisivas, é difícil engolir a consagração de “Glee”, em detrimento de “Modern family”, para ficar no mesmo gênero. E chega a ser escandaloso que Bryan Cranston (“Breaking Bad”) não seja premiado.

2 comentários:

Victor disse...

Olá Guilherme,

Concordo plenamente com seus comentários, Bryan Cranston não ganhar pela incrível atuação em BB é um crime!

PS: Eu conheço a série por Modern Family, o titulo original é com você grafou?

Guilherme Scalzilli disse...

Oi Victor, nem sei de onde tirei essa grafia. Está corrigido. Obrigado pelo toque.
Um abraço do
Guilherme