segunda-feira, 4 de julho de 2011

Quack!


Uma delícia ver os comentaristas desdobrando-se para justificar a bolinha murcha da seleção amarela. Desculpem, mas é impossível torcer pelo time de Ricardo Teixeira e da rede Globo. Apenas uma paixão futebolística maltrata minhas incrédulas coronárias: a sagrada Macaca velha de guerra. E ela jamais recebeu qualquer migalha dos capatazes do esporte brasileiro. Odeio-os tanto e tão sinceramente que mesmo o Guarani, desde que os contrarie, receberá minha eterna preferência.

Às vezes descubro simpatias isoladas na seleção, como agora Júlio César, Lúcio, Ganso e... bom, um ou outro que me escapa. Até Mano Menezes cai em desgraça comigo ao engolir essas estrelinhas-de-empresário que os patrões da CBF impõem aos técnicos iniciantes. Ou alguém acredita que Elano começou no banco por opção tática?

Arre. Depois de cento e onze anos de sofrimento, ninguém merece ver moleques bilionários de topete moicano (ou o que diabo signifique aquilo) passando o pé em cima da bola, rebolando, espalhando cotoveladas, jogando-se ao perdê-la. Para este humilde torcedor, é indiferente se eles riem, choram ou desaparecem pelo hiperespaço.

Palpite para a Copa América: Brasil campeão numa série de jogos sofríveis. Esperança: Argentina campeã sobre o Uruguai, numa final histórica de oito gols, depois do escrete canarinho desclassificar-se na primeira fase, sob milhares de vaias histéricas.

4 comentários:

Anônimo disse...

Cara, onde assino???

Tirando a parte em que torço para a Ponte, concordo em 100% de gênero, número e grau!

Só não posso me dar o prazer de dizer uma coisa: não posso nunca ter gratitude com o rival maior do meu time mesmo que esse vá contra a Globo, CBF e bandidagem geral: o rival maior do meu time, o Corinthians, é o clube mais mancomunado, desde a raiz, com essa podridão toda que é o futebol, sobretudo o brasileiro, de hoje em dia!

Mas parabéns pelo texto, ficou perfeito!

Vania disse...

Adorei! De fato, está cada vez mais difícil torcer por essa seleção. Dá um cansaço!

Guilherme Scalzilli disse...

Anônimo, obrigado pelo comentário elogioso. Seja bem-vindo.

Vania, realmente a preguiça é maior que a curiosidade. O pior é que isso tem ocorrido em todos os jogos da Copa América. Zzzzzz...

Saudações alvinegras do
Guilherme

Maria Eugenia disse...

Finalmente alguém que concorda comigo em que a seleção canarinho já deu o que tinha que dar. Pra mim a gota d'agua foi aquele patético e inesquecível jogo em que o Roberto Carlos se abaixou no meio do campo, no pleno calor da partida pra "ajeitar a chuteira" ou as meias, ou sei la o que.
Daquele dia em diante prometi pra mim mesma que nunca mais iria assistir/torcer/me descabelar de nervoso em um jogo de futebol do Brasil.

Parabéns pelo texto. Muito bom!